Fechar menu lateral

1º semestre 2020

Horários 1º semestre 2020

 


 

 

 

 

 Segunda-feira

                

Terça-feira

 

Quarta-feira

 

Quinta-feira

 

Sexta-feira

 

 

 

 

 

 

Desenvolvimento de projetos em Música e Interartes (2039031) – Marta e Daniel

 

MANHÃ

   

 

Estudos Avançados da Imagem e Som (2039001)  – Christian (IMACS)

 

TARDE

   

 

Teorias da Cultura e da Arte (2039035) – Maria Lucia

 

 

MANHÃ

 

 

Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens IX (2039044) – Patrícia (IMACS)

 

 

 

TARDE

 

 

Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens VI (2 créditos) (2039033)  – Castelões

 

 

 

11h às 13h

(sala 09)

 

 Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens VIII (2039043) – Rosane

 

 

 

 

MANHÃ

 

Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens X (2039045) – Sérgio (IMACS)

 

 

 

 

TARDE

 

Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens VII (3 créditos) (2039034) – Marta

 

 

 

 

 

TARDE

(13h às 16h)

 

 

OBS.:

Estudos Avançados da Imagem e Som – disciplina obrigatória da linha Cinema e Audiovisual (alunos regulares e alunos IMACS).

Teorias da Cultura e da Arte – disciplina obrigatória da linha Arte, Moda: História e Cultura.

Desenvolvimento de projetos em Música e Interartes – disciplina obrigatória da linha Estudos Interartes e Música.

Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens IX é obrigatória para os alunos do IMACS. Demais interessados podem se matricular.

Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens X é obrigatória para os alunos do IMACS. Demais interessados podem se matricular.

 

 

 

EMENTAS

 

Desenvolvimento de projetos em Música e Interartes (2039031) – Marta e Daniel

 

Ementa: 

O principal propósito desta disciplina é exibir e discutir produções artísticas, modelos e teorias, que recentemente investigam as relações entre diversas linguagens artísticas, entre processos e obras de arte, e entre dois ou mais sistemas de linguagem. A disciplina inclui em seu escopo de abordagens as atividades musicais criativas incluindo “música e novas mídias”, “música e outras artes”, “música, ciência e tecnologia”.

Bibliografia:

Aguiar, D.; Queiroz, J. (orgs.) Tradução, Transposição e Adaptação Intersemióticas. São Paulo: Pedro & João Editores.

Beckett, Samuel. O despovoador. Mal visto mal dito. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

Clüver, Claus 2011. Intermidialidade. Pós 1 (2): 8-23.

Clüver, Claus 2006. Da Transposição Intersemiótica. In: Márcia Arbex (org.), Poéticas do visível: ensaios sobre a escrita e a imagem. Belo Horizonte: Programa de Pós-Graduação em Letras – Estudos Literários, 107-166.

Kissane, Seán (ed.) 2010. Vertical thoughts: Morton Feldman and the visual arts. Dublin: Irish Museum of Modern Art.

Queiroz, João and Daniella Aguiar 2015. C. S. Peirce and Intersemiotic Translation. In: Peter Pericles Trifonas (ed.), International Handbook of Semiotics. Netherlands: Springer, 201-215.

Rajewsky, Irina 2005. Intermediality, Intertextuality, and Remediation: A Literary Perspective on Intermediality. Intermédialités 6: 43-64.

 

Estudos Avançados da Imagem e Som

Ementa:

Este curso tem por objetivo propor uma reflexão sobre as questões metodológicas e de abordagens que envolvem a relação cinema e história, em diálogo constante com as tradições e transformações no campo de análise. Às questões relativas à estética, teoria e História e historiografia do cinema entendidas em um complexo cultural que possibilite a ampliação das possibilidades de se lidar com o cinema como fonte de pesquisa.

Bibliografia:

AMADO, Janaina (org.). Usos e abusos da historia oralSão Paulo: FGV, 2006.

ASTRUC, Alexandre. Naissance d`une nouvelle avant-garde: la caméra-stylo. L`Écran Français, n.144, 30 mars 1948.

AUMONT, Jacques. Moderno? Por que o cinema se tornou a mais singular das artes. Campinas: Papirus, 2008.

BAECQUE, Antoine de. Cinefilia. Invenção do Olhar, história de uma cultura, 1944-1968. São Paulo: Cosac e Naif, 2010.

BAZIN, André. O que é o Cinema? Cinema, Teatro e modernidade. São Paulo: Cosac e Naif, 2014.

BESSIÈRE, Irène; GILI, Jean A (Org.). Histoire du Cinéma. Problématique des sources. Paris, 2002.

BERNARDET, Jean-Claude. A Entrevista. In: Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003, p.281-296.

BORDEWELL, David. Figuras Traçadas na Luz. A Encenação no cinema. Campinas: Papirus, 2008.

_________________. Sobre a História do Estilo Cinematográfico. Campinas: Editora Unicamp, 2013.

_________________. Estudos de cinema hoje e as vicissitudes da grande teoria. In: RAMOS, Fernão (Org.).Teoria contemporânea do Cinema: pós-estruturalismo e filosofia analítica. São Paulo: Senac, 2005, p.25-70. Vol.I.

CHARNEY, Leo R.; SCHWARTZ, Vanessa (org.) O cinema e a invenção da vida moderna. Trad. Regina Thompson. São Paulo: Cosac & Naif Edições, 2001.

COUTINHO, Eduardo. O cinema documentário e a escuta sensível da alteridade. In: Projeto História, São Paulo, n.15, p. 165-191, abril de 1997.

ELSAESSER, Thomas; HAGENER, Malte. Teoria do Cinema. Uma Introdução através dos Sentidos. Campinas: Papirus, 2018.

FERRO, Marc. Cinema e História. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

GARDIES, René (Org.). Compreender o cinema e as imagens. Lisboa: Edições Texto & Grafia, 2008.

MORETTIN, Eduardo Victorio. O Cinema como fonte histórica na obra de Marc Ferro. In: História: Questões & Debates, Curitiba, n.38, p. 11-42, 2003.

NICHOLS, Bill. Introdução ao documentário. Campinas: Papirus Editora, 2005.

OLIVEIRA JR., Luiz Carlos. A Mise en scène no cinema. Do clássico ao cinema de fluxo. Campinas: Papirus, 2013.

RAMOS, Fernão. Mas afinal… o que é mesmo documentário?. São Paulo: Editora

      SENAC, 2008.

RICŒUR, Paul. “Três sujeitos de atribuição da lembrança: eu, os coletivos, os próximos”. In A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

SHOAHAT, Ella; STAM, Robert. Do Eurocentrismo ao policentrismo. In: Crítica da Imagem Eurocêntrica. São Paulo: Cosac e Naif, 2006, p.37-88.

VOLDMAN, Daniéle. A invenção do depoimento oral. In: FERREIRA, Mariana de Moraes e

VÉRAY, Laurent. Les images d`archives face à L`Histoire. Paris:CNDP-CRDP, s/d.

XAVIER, Ismail. Cinema: revelação e engano. In: O Olhar e a Cena. São Paulo: Cosac&Naify, 2003, p.31-58

 

Teorias da Arte   Teorias da Arte (2039020) – Maria Lucia

Ementa:

Essa disciplina tem por objetivo discutir a arte e a cultura a partir de múltiplos olhares da história da arte e das ciências sociais, procurando analisar os vários significados e sentidos que os dois conceitos podem assumir a partir de contextos sociais e políticos distintos. Assim, a disciplina pretende levar o aluno a refletir sobre as práticas culturais e artísticas contemporâneas, oferecendo elementos para um debate crítico.

Bibliografia:

BOURDIEU, Pierre. A Distinção. Porto Alegre, Zouk, 2011.

CLARK, T. J., A pintura da vida moderna. Paris na arte de Manet e de seus seguidores. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. Capítulo 4, Um bar no Folies- Bergère.

___________, Jackson Pollock ‘s Abstration. In Serge Guilbaut (org.), Reconstructing Modernism. Art in New York, Paris and Montreal 1945-1964. Cambridge/London: MIT Press, 1990.

CLIFFORD, James. Coleccionando arte e cultura.IN Ana Gabriela Macedo e Francesca Raynes,  Gênero, Cultura Visual e Performance. Antologia Crítica. Minho: Universidade do Minho/Ed. Humus, 2011.  

CROW, Thomas. Modernism and Mass Culture in the Visual Arts, Fashioning the New York School Saturday Disasters:Trace and Reference in Early Warhol in Thomas Crow, Modern Art in the Common Culture, New Haven/London; Yale University Press, 1996.

GIDDENS, Anthony. A transformação da intimidade. Campinas, Unesp, 2003.

HARVEY, David. A condição pós-moderna. São Paulo, Loyola, 1992.

POLLOCK, Griselda. Visión y Diferencia. Feminismo, feminidad e histórias da arte. Buenos Aires: Fiordo, 2013.

 

 

Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens IX (2039044) – Patrícia

Ementa: Cinema e História da Arte: análises e teorias

As aproximações entre as teorias ligadas a História da Arte e o Cinema são discutidas e problematizadas desde o período da produção vanguardista de ambas as áreas e tornaram-se ainda mais estreitas a partir das possibilidades trazidas pelos campos ampliados da Arte Contemporânea. O curso pretende discutir essas aproximações partindo dos estudos sobre o uso do cinema como linguagem pela produção artística, começando pelas vanguardas históricas até a produção contemporânea latino-americana e, sobretudo, brasileira. 

Théorie/histoire de l’art et esthétique du cinéma

The connections among the theories linked to the Art History and the Cinema are discussed and problematized since the avant-gardist production period of both these areas and became even tighter after the possibilities brought by the widened field of Contemporary Art. The course intends to discuss these connections based on studies on the use of moving pictures as a language by the artistic production, starting with the historical vanguards until the Latin-American contemporary output, especially the Brazilian one.

 

 

Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens VI (2 créditos) (2039033)  – Castelões

Ementa: Composição Algorítmica 2” (2 cr.)

Oficina teórico-prática em Composição Musical contemporânea, com foco em um pensar-fazer

algorítmico. Inclui tutoriais de CAC (composição assistida por computador) e desenvolvimento

gradual de projetos criativos dos participantes.

(URL com materiais da disciplina: http://www.ufjf.br/mus/mestrado/)

Forma de avaliação:

Durante o curso, os participantes devem desenvolver e redigir um (ou mais) exemplo(s) completo(s)

de algoritmo(s) que conduza(m) à produção de obra(s) musical(is) autoral(is) e inédita(s). O

formato do texto a ser entregue ao final do curso pode ser o de um artigo a ser publicado, capítulo

de dissertação, memorial descritivo, ou similar (acompanhado ou não da obra musical pronta).

Curso presencial. Com presença obrigatória em todos os encontros do curso.

Bibliografia:

Abdounur, Oscar João. Matemática e Música: pensamento analógico na construção de

significados. São Paulo: Escrituras Editora, 1999.

Agon, Carlos et al (eds.). The OM Composer’s book, volume 1. Paris: Éditions Delatour, 2006.

Agon, Carlos et al (eds.). The OM Composer’s book, volume 2. Paris: Éditions Delatour, 2008.

Caesar, Rodolfo. Circulos Ceifados. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008.

Castelões, Luiz. Matemáticas da Musica. A Matemática está em tudo, por César, Eloi T. et al. (org.)

São Paulo: Editora Livraria da Física, 2018.

_______________. Musicalising Sonification. OM Composer’s Book, Vol. 3, por Jean Bresson

[ed.], Paris: Editions Delatour, 2016.

_______________. “Análise espectral e teoria musical em suporte ao pianismo de samba e generos

afins”. El Oido Pensante, v. 1, p. 1-17, 2013.

Castelões, Luiz E.; Oliveira, Talita De; Franco, Yago. “Conversores de parámetros del color a

parámetros sonoros cuantificables usando los sistemas RGB, HSV y CMYK.” Sonic Ideas, 7(14),

2015.

Malt, Mikhail. “Concepts et modèles, de l’imaginaire a l’écriture dans la composition assistée par

ordinateur”, in Musique, instruments, machines. Autour des musiques électroacoustiques, textes

réunis et édités par Bruno Bossis, Anne Veitl et Marc Battier, MINT, série Musique et nouvelles

technologies, n°2, p. 213-234, Paris IV, Sorbonne, Paris, 2006.

_______________. “Quelques propriétés des représentations, le cas de la notation musicale”,

Revista do Conservatório de Musica da UFPel, Pelotas, no3, p. 1-26, 2010.

Menezes, Flo. A acústica musical em palavras e sons. 2a ed. Cotia, SP: Atelie Editorial, 2014.

Read, Gardner. Source Book of Proposed Music Notation Reforms. New York: Greenwood Press,

1987.

Stone, Kurt. Music Notation in the Twentieth Century. New York: W. W. Norton, 1980.

Xenakis, Iannis. Thought and Mathematics in Composition. Stuyvesant, NY: Pendragon Press,

1992.

 

 Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens VIII (2039043) – Rosane Preciosa

Ementa: Destampar a Imaginação para Florescer outros Modos de Convívio

Diante de um contexto de extrema adversidade e desolação que nos atinge hoje no Brasil, tenho diariamente me feito as seguintes perguntas: como resistir aos modos tristes que esses tempos destilam?  E resistir aqui, sublinho, é ultrapassar a ideia de combater, de afrontar uma situação de opressão, ainda que seja necessário, mas sobretudo sintonizar alguns lampejos da imaginação que saltam e revertem esse quadro, nos restituindo uma vitalidade e uma alegria. Nesse sentido, me interessa sintonizar ações de artistas “patenteados” ou não que acabam funcionando como um laboratório de descompressão imaginativa.

Pretendo, nesse curso, reunir algumas ações artísticas que, de modos distintos e singulares, nos convocam a nos insurgir contra o que sufoca nossa vitalidade, contra o que breca nossa imaginação, ativando pequenas insurgências cotidianas. Há uma esfera das micro ações por vezes negligenciadas, e que são contagiantes, catalisadoras de afetos capazes de alterar a experiência das coisas.

Como referencial teórico, meu ponto de partida é a dupla Deleuze&Guattari, mas pretendo trazer aportes teóricos procedentes do campo da arte e da performance, passando pela literatura e a educação. Compreendo que um chão teórico múltiplo suscita e ativa outros modos de pensar, sentir e agir.

 

Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens X (2039045) – Sérgio

Ementa: História do processo criativo no documentário

O curso pretende abordar questões relacionadas ao processo de criação em documentário enfocando as relações de produção com os recortes temáticos e estilísticos adotados, contexto histórico e social de realização, aspectos que irão orientar a prática do documentarista em seu embate com o mundo.

History of the creative process in the documentary

Module d’enseignements spécialisés n°7 : Patrimoine, archives et histoire du cinéma et de l’audiovisuel

The purpose of this course is to address issues related to the documentary creation process, focusing on the production relations with the thematic and stylistic approaches adopted as well as the historical and social context of production, aspects that will guide the practice of the documentary filmmakers in their encounter with the world.

 

Ementa: Técnica e tecnologia no documentário moderno e contemporâneo

O curso pretende abordar aspectos ligados à técnica e tecnologia que envolvem à produção do documentário a partir da segunda metade do século XX. Para tanto, definiremos dois eixos estilísticos principais, o documentário direto e o documentário verdade, como polos norteadores das analises. Daremos especial ênfase à questões ligadas à prática da filmagem, formas de captação de imagem e som, a partir da experiência dos profissionais envolvidos e das suas relações com o aparato técnico.

Technique and technology in the modern and contemporary documentary

Module d’enseignements spécialisés n°8 : Sociologie, économie, droit et technologie du cinéma et de l’audiovisuel

The course aims to address aspects related to technique and technology that involve the production of documentary from the second half of the twentieth century. We will define two main stylistic axes, the Direct Documentary and the Cinéma Vérité, as the guiding poles of the analysis. Special emphasis will be given to issues related to the filmmaking practice, ways of capturing images and sound, based on the experience of the professionals involved and their relationships with the technical apparatus.

 

 

Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens VII (3 créditos) (2039034) – Marta

Ementa: Esta disciplina tem por objetivo prover ferramentas para a pesquisa científica na área de música. Serão apresentadas fontes de investigação diversas, como arquivos de partituras, plataformas de musicologia e bibliografia específica da área. Pretende-se relacionar esta apresentação e as discussões em torno da mesma aos projetos dos alunos e às suas demandas específicas, incluindo questões metodológicas, a estrutura dos trabalhos e revisões bibliográficas.