Fechar menu lateral

Centro Cultural Pró-Música

A foto mostra três pessoas encenando a Ópera de Monteverdi durante o Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga. Ao lado direito do palco está uma mulher vestida de vermelho, enquanto observa outra mulher com um longo vestido azul contracenando no centro. No lado esquerdo da imagem um homem vestido em roupas marrons também observa.

Ópera de Monteverdi durante o Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga – Foto: Alexandre Dornelas

APRESENTAÇÃO

Órgão suplementar da Reitoria da UFJF, incorporado à universidade em junho de 2011, o Centro Cultural Pró-Música é reconhecido por sua vasta e contínua atuação no campo da cultura. São mais de 40 anos de contribuição sobretudo para a formação musical e para a pesquisa e a divulgação da música colonial brasileira e da música antiga, trabalho cuja principal vitrine, ao longo de 25 edições, tem sido o tradicional Festival de Música Colonial Brasileira e Música Antiga.

Com uma sala de espetáculos de 500 lugares – o Teatro Pró-Música –, e espaço para exposições de artes plásticas e visuais – a Galeria Renato de Almeida –, a instituição se abre para acolher outras manifestações culturais, proporcionando a artistas e produtores locais a oportunidade de apresentarem suas obras em dois espaços amplos e confortáveis em pleno centro, na principal avenida de Juiz de Fora.

 

Incorporação à UFJF

A incorporação do Pró-Música à UFJF assegurou à instituição o status de órgão suplementar da Reitoria, a exemplo do Cine-Theatro Central, do Museu de Arte Murilo Mendes e do Coral Universitário. A união foi aprovada pelo Conselho Superior da UFJF em março de 2011 e oficializada em solenidade realizada em 9 de junho desse mesmo ano, com a doação do patrimônio material e imaterial do Pró-Música à UFJF. Foram três anos de estudos sobre a viabilidade da proposta feita à universidade pela família Sousa Santos, fundadora da instituição na década de 1970, que viu na incorporação a possibilidade de assegurar a continuidade dos projetos realizados pelo Pró-Música.

Essa união histórica aproximou definitivamente duas instituições que, com trajetórias paralelas, realizaram inúmeras parcerias ao longo de 40 anos, com o apoio fundamental da Reitoria a diversas iniciativas, incluindo auxílio para a aquisição de um piano de cauda alemão e contribuição para a construção da sede na Avenida Rio Branco. A incorporação aconteceu em momento ímpar, como consequência do protagonismo assumido pela cultura na universidade com a criação, em 2006, da Pró-reitoria de Cultura, unidade que centralizou os órgãos culturais da instituição.

A imagem contém quatro músicos do Conjunto Atempo se apresentando no Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga: um homem em pé está seguindo uma partitura enquanto toca seu instrumento musical junto a dois homens e uma mulher que estão sentados, também tocando. Ao fundo do palco está refletida uma imagem de uma pintura medieval que representa músicos trovadores.

Conjunto Atempo se apresenta noFestival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga- Foto Twin Alvarenga

 

Um pouco de história

O Centro Cultural Pró-Música surgiu em dezembro de 1971 como entidade civil sem fins lucrativos, com a proposta de promover mensalmente um concerto de música erudita, a fim de incentivar a formação de público para o gênero. Em pouco tempo, os fundadores – o casal Maria Isabel e Hermínio de Sousa Santos – não só superaram a meta do concerto mensal, como ampliaram o projeto, firmaram parcerias e conquistaram a sede própria. Acima de tudo, construíram as bases para a consolidação de uma obra pioneira, que cresceu e se diversificou com o apoio da sociedade local, da iniciativa privada, de instituições públicas e leis de incentivo, projetando Juiz de Fora como celeiro de músicos e, uma vez por ano, durante seu tradicional festival, como a capital da música colonial brasileira.

Além de prestigiadas pelo público, as ações desenvolvidas pelo Pró-Música alcançaram reconhecimento nacional, com a outorga de diversos prêmios a realizações como o Festival de Música Colonial Brasileira e Música Antiga, que em 2000 recebeu o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), na categoria preservação de bens móveis e imóveis. Em 2002, o Pró-Música recebeu a Ordem do Mérito Cultural do Ministério da Cultura por sua contribuição na divulgação mundial da cultura brasileira.