Fechar menu lateral

Agendamentos de Recursos Laboratoriais

O curso de Cinema e Audiovisual da UFJF conta com estruturas que permitem um maior aproveitamento profissional por parte do corpo discente da Instituição. A partir desses laboratórios, os alunos podem aperfeiçoar as suas habilidades e desenvolver projetos em consonância com seus estudos teóricos e práticos.

FRANCISCO DE ALMEIDA FLEMING – Estúdio de Gravação e Sala de Edição

Nascido em 1900, em Ouro Fino, Minas Gerais, Francisco de Almeida Fleming foi um dos pioneiros do cinema no Brasil, atuando como exibidor, fotógrafo, diretor e  laboratorista. Em seus filmes, Almeida Fleming exercia múltiplas funções: produtor, diretor, roteirista, fotógrafo, montador e cenógrafo. Fundando em 1920 a América Filme, profissionaliza-se dirigindo curtas, documentários e comerciais. Em Pouso Alegre dirige os longas-metragens Paulo e Virgínia (1924) e O vale dos martírios (1927). No início da década de 1920, Almeida Fleming já fazia experiências de projeção sonora no Brasil, exibindo filmes curtos sincronizados com discos, invento que ele mesmo denominou de America-Cine-Phonema. Nos anos 1930, Almeida Fleming trabalhou nos laboratórios da Sonofilm, no Rio de Janeiro, radicando-se no fim daquela década em São Paulo, onde prosseguiu carreira até os anos 1950, realizando documentários e cinejornais, num total de cerca de 200 títulos.

Regimento do estúdio e sala de edição (formato .pdf, tamanho 2,18MB)

Formulário para agendamento do estúdio e empréstimo de equipamentos (formato .docx, tamanho 815KB)

Agenda (calendário do Google)

Planta do estúdio 1 (formato .pdf, tamanho 163KB)

Planta do estúdio 2 (formato .pdf, tamanho 152KB)

 

GERMANO ALVES – Sala de Cinema

A primeira cidade mineira a exibir o Cinematógrapho Lumière, em 23 de julho de 1897, foi Juiz de Fora. O espetáculo se deu no Teatro Juiz de Fora, sob o patrocínio da Companhia de Variedades do empresário, diretor e ator de teatro Germano Alves da Silva. Além do pioneirismo na divulgação do Cinematógrafo em Minas Gerais, Germano Alves e sua esposa Apolônia Pinto, também atriz e sócia na companhia, levaram aos palcos de diversas cidades brasileiras comédias, dramas e vaudevilles. O jornal Pharol, de Juiz de Fora, noticiou, em 24 de julho de 1897, a exibição dos “quadros de comprimento do pano de boca do teatro com auxílio de luz elétrica, sem a menor oscilação.” Entre as “vistas animadas” apresentadas pela “maravilhosa machina” ao público juizforano, incluíam-se “Banhistas na fogueira da foz; Uma partida do jogo do solo; Uma distração no Palácio de Cristal; Jogos malabares em Lourenço Marques; O czar em Paris; O patinador grotesco; Os lanceiros da rainha em Lisboa; Batalha de neve em Lyon”.

Regulamento do uso da Sala de Cinema (formato .pdf, tamanho 77,2KB)

Formulário Agendamento Sala de Cinema (formato .pdf, tamanho 97,5KB)

Agenda (calendário do Google)

Para solicitar um agendamento para a sala de cinema envie um e-mail para: saladecinemagermanoalves@gmail.com