Fechar menu lateral

Plano de Ensino

Disciplina: HIS125 - HISTÓRIA DO BRASIL IMPÉRIO

Créditos: 4

Departamento: DEPTO DE HISTORIA /ICH

Utilizando-se das contribuições clássicas e recentes da historiografia, a disciplina tem
por objetivo analisar os principais debates historiográficos acerca do período monárquico
brasileiro (1822-1889), com ênfase nos seus aspectos político-administrativo, cultural e social.
1. A Crise do Antigo Regime Português e a Independência do Brasil
2. A construção do Estado Imperial
3. Escravidão e o fim do tráfico negreiro
4. Abolicionismo, Abolição e Republicanismo
ALEXANDRE, Valentim. Os sentidos do império. Porto: Afrontamento, 1993.
BARATA, Alexandre Mansur. Maçonaria, sociabilidade ilustrada e Independência do Brasil. São
Paulo – Juiz de Fora: Annablume – Ed. UFJF, 2006.
BERBEL, Márcia & OLIVEIRA, Cecília H. de S. (orgs). A experiência constitucional de Cádiz: Espanha,
Portugal e Brasil. São Paulo: Alameda, 2012.
BERBEL, Márcia Regina. A nação como artefato: deputados do Brasil nas Cortes Portuguesas
(1821-1822). São Paulo: Hucitec, 1999.
DIAS, Maria Odila da Silva. A interiorização da metrópole e outros estudos. São Paulo: Alameda,
2005.
JANCSÓ, István (org.). Independência: história e historiografia. São Paulo: Hucitec, 2005.
LIMA, Oliveira. D. João VI no Brasil. 4. ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 2006.
LYRA, Maria de Lourdes Vianna. A utopia do poderoso império. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1994.
MALERBA, Jurandir (org.). A Independência Brasileira: novas dimensões. Rio de Janeiro: Ed. FGV,
2006.
MOTA, Carlos Guilherme (org.). 1822: dimensões. São Paulo: Perspectiva, 1972.
NEVES, Lúcia M. B. Pereira das. Corcundas e constitucionais: a cultura política da Independência
(1820-1822). Rio de Janeiro: Revan, 2003.
OLIVEIRA, Cecília Helena Lorenzini de Salles. A astúcia liberal: relações de mercado e projetos
políticos no Rio de Janeiro (1820-1824). Bragança Paulista: EDUSF, 1999.
PEDREIRA, Jorge & COSTA, Fernando Dores. D. João VI: um príncipe entre dois continentes. São
Paulo: Companhia das Letras, 2008.
PIMENTA, João Paulo. A Independência do Brasil e a experiência hispano-americana (1808-1822). São Paulo: Hucitec, 2015.
RIBEIRO, Gladys Sabina. A liberdade em construção: identidade nacional e conflitos antilusitanos no Primeiro Reinado. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2002.
SCHULTZ, Kirsten. Versalhes Tropical. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.
SOUZA, Iara Lis Carvalho. Pátria Coroada: o Brasil como corpo político autônomo (1780 – 1831). São Paulo: Ed. Unesp, 1999.
VILLALTA, Luiz Carlos. O Brasil e a Crise do Antigo Regime Português (1788-1822). Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2016.
BARATA, Alexandre Mansur; MARTINS, Maria Fernanda Vieira & BARBOSA, Silvana Mota (orgs.). Dos Poderes do Império: culturas políticas, redes sociais e relações de poder no Brasil do século XIX. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2014.
BARMAN, Roderick. Brazil: the forging of a nation (1798-1852). Stanford: Stanford University Press, 1988.
CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem & Teatro de Sombras. 2. ed. R. Janeiro: Relume-Dumará-UFRJ, 1996.
DANTAS, Mônica Duarte (org). Revoltas, motins, revoluções: homens livres pobres e libertos no Brasil do século XIX. São Paulo: Alameda, 2011.
DOLHNIKOFF, Miriam. O pacto imperial: origens do federalismo no Brasil. São Paulo: Globo, 2005.
GRAHAM, Richard. Clientelismo e política no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.
JANCSÓ, István (org.). Brasil: formação do Estado e da Nação. São Paulo: HUCITEC, 2003.
MARSON, Izabel Andrade & OLIVEIRA, Cecília H. L. de S. (orgs). Monarquia, liberalismo e negócios no Brasil: 1780-1860. São Paulo: Edusp, 2013.
MARTINS, Maria Fernanda Vieira. A velha arte de governar: um estudo sobre política e elites a partir do Conselho de Estado (1842-1889). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2007.
MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo saquarema: a formação do estado imperial. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1990.
OLIVEIRA, Cecília H. de S.; BITTENCOURT, Vera Lúcia Nagib & COSTA, Wilma Peres (orgs.). Soberania e conflito: configurações do Estado Nacional no Brasil do século XIX. São Paulo: Hucitec. 2010.
SLEMIAN, Andrea. Sob o Império das leis: constituição e unidade nacional na formação do Brasil (1822-1834). São Paulo: Hucitec, 2009.
BERBEL, Márcia, MARQUESE, Rafael & PARRON, Tâmis. Escravidão e política: Brasil e Cuba, 1790-1850. São Paulo: Hucitec, 2010.
CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil Oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.
CONRAD, Robert Edgar. Os últimos anos da escravatura no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
FLORENTINO, Manolo G. Em costas negras. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995.
KARASCH, Mary C. A vida dos escravos no Rio de Janeiro: 1808-1850. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
LUNA, Francisco Vidal & KLEIN, Herbert. Escravismo no Brasil. São Paulo: Edusp - Imprensa Oficial, 2010.
MAMIGONIAN, Beatriz. Africanos Livres: a abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.
MARQUESE, Rafael de Bivar. Feitores do corpo, missionários da mente: senhores, letrados e o controle dos escravos nas Américas, 1660-1860. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
PARRON, Tâmis. A política da escravidão no Império do Brasil, 1826-1865. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.
REIS, João J. & SILVA, Eduardo. Negociação e conflito. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
RODRIGUES, Jaime. O infame comércio: propostas e experiências no final do tráfico de africanos para o Brasil (1800-1850). Campinas: Ed. UNICAMP, 2000.
SLENES, Robert. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava –Brasil sudeste, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.