O núcleo juiz-forano da organização Engenheiros Sem Fronteira promove entre os dias 5 e 10 outubro a 3ª Semana Sem Fronteiras: reinventar para transformar. O objetivo é refletir sobre as mudanças ocorridas no mundo a partir da pandemia do novo coronavírus, sob os aspectos da autorreflexão, das relações interpessoais, do voluntariado e da sustentabilidade. O evento é totalmente on-line e conta com roda de conversa, palestras e workshops.

A semana é destinada a pessoas com predileção ao voluntariado e ao engajamento nas questões socioambientais. Ao todo, 11 atividades abordarão temas como transformação, voluntariado, liderança, sustentabilidade, linguagem corporal, racismo, autoconhecimento e marketing digital. Uma roda de conversa com membros da organização abre o evento. A lista de palestrantes e a programação completa podem ser acessadas neste link.

Segundo a coordenadora-geral do evento, Joyce Kelly, a programação reflete as necessidades de autorreflexão e entendimento do mundo e dos relacionamentos, em meio à pandemia. “Espera-se que ao final do evento, os participantes tenham trabalhado em sua percepção acerca de comportamentos, hábitos e que tenham sido munidos de ferramentas e bases para autorreflexão. Acreditamos que os participantes possam desenvolver habilidades comportamentais e competências que aprimorem suas relações com situações e outras pessoas, expandindo seus horizontes sobre o voluntariado e a sustentabilidade, levando para si, fundamentos e referências.”

View this post on Instagram

Com o tema “Reinventar para Transformar”, a 3ª Semana Sem Fronteiras objetiva proporcionar o desenvolvimento dos participantes no âmbito profissional e pessoal. Para isso, o conteúdo passará por três momentos, sendo eles: ⠀ 💡Autorreflexão: temas que desenvolvam a percepção do participante acerca de comportamentos e hábitos, além de o munir de ferramentas e bases para o autoconhecimento; ⠀ ⠀ ⚙Relacionamento interpessoal: temas que proporcionem ao participante desenvolvimento de habilidades comportamentais e competências que aprimorem suas relações com situações e outras pessoas; ⠀ 🌎Voluntariado: temas que objetivam expandir horizontes do participante a respeito do voluntariado e da sustentabilidade, levando para si fundamentos e referências de como transformar o mundo a sua volta. ⠀ Você não vai perder a chance de participar, né? Vem para a 3ªSSF!!! 💚💜 ⠀ LINK DE INSCRIÇÃO NA BIO ⠀ ⠀ ⠀ ⠀ #3semanasemfronteiras #esfjuizdefora #eventoonline

A post shared by Engenheiros Sem Fronteiras-JF (@esfjuizdefora) on

As inscrições podem ser feitas até o dia 4 de outubro através do site e os valores dos ingressos variam. Todo o dinheiro arrecadado será destinado à Escola Municipal Ipiranga para a construção de um muro que ofereça um ambiente seguro e de qualidade para os profissionais e as 240 crianças atendidas pela instituição. O colégio tem sofrido, com frequência, invasões de vândalos que depredam móveis e materiais educacionais.

Quem são?

A organização não-governamental Engenheiros Sem Fronteiras, presente em 65 países e mais de 70 cidades brasileiras, utiliza conhecimentos de Engenharia e de Arquitetura para melhorar a qualidade de vida de pessoas em situação de vulnerabilidade social. O núcleo Juiz de Fora foi fundado em 2015. Desde então, estudantes e graduados já desenvolveram e executaram mais de 70 projetos de forma totalmente voluntária. O núcleo fez reformas em escolas, projetos de usucapião, captação de água da chuva, reformas elétricas, implementação de planos de gestão, ações para promover a educação e a sustentabilidade, além de diversas ações sociais e campanhas de arrecadação.

UFJF + Engenheiros sem Fronteira

Por meio do projeto de extensão “UFJF + Engenheiros Sem Fronteiras: promovendo o desenvolvimento social”, o aprendizado acadêmico é aplicado em projetos práticos, retribuindo benefícios para a sociedade e para os alunos. A coordenadora de Comunicação e Marketing do evento, Nathalia Itaborahy, destaca a importância da relação com a Universidade.

“Vemos como uma parceria totalmente essencial. Além de a nossa sede ser no Observatório de Engenharia, estar cadastrado como projeto de extensão traz um ponto fundamental para os alunos, já que pode ser aproveitado como as horas extras que o curso exige, agregando também ao currículo dos alunos. Outro ponto de extrema importância é o fortalecimento da relação com os orientadores, que, em sua maioria, são docentes da UFJF, e estão sempre possibilitando que nossos projetos e nosso impacto se concretizem.” 

Outras informações: Engenheiros Sem Fronteiras  – Núcleo Juiz de Fora